A troca de óleo faz parte da manutenção básica de qualquer veículo automotor. Com o custo relativamente baixo, se for mal feita o prejuízo pode ser alto

Estar atento ao nível de óleo, quilometragem e qualidade do produto usado para lubrificar o motor, faz parte de um dos cuidados mais básicos na manutenção mecânica de todo veículo automotor.

Três funções primordiais do óleo do motor que garantem a performance do veículo

  • Lubrificar
  • Diminuir Atrito
  • Evitar desgaste excessivo de outras partes

De modo geral a troca de óleo é feita quando a moto completa 1.000 km. Mas, atenção, a quilometragem não é o único fator determinante para a troca do óleo. Caso, em seis meses não tenha atingido a quilometragem indicada, é preciso efetuar a troca; ainda que a moto tenha ficado parada na garagem. Isso acontece porque o óleo envelhece só de ficar parado no motor.

O óleo na embalagem não oxida, mas se estiver no cárter do motor, oxida; e então é preciso trocá-lo.

Seguindo essa lógica, vale o destaque para a importância de ler o manual da sua moto. Mas, ainda em um contexto geral, depois da primeira troca, as seguintes devem acontecer a cada 4 mil km. No caso dos modelos acima de 300cc a indicação é a cada 6 mil km.

Outro detalhe que está relacionado com o envelhecimento do óleo no motor é quanto a usabilidade da moto. Quanto mais estável for a temperatura do motor, mais dura o óleo. Isso acontece com uso frequente da moto na estrada. Mas se o uso for mais urbano, em que se faz necessário ligar e desligar a moto mais vezes, isso gera uma variação da temperatura e o óleo dura menos.

A troca de óleo está atrelada a troca do filtro de óleo. Sim, é real! E ainda, não pode ser considerado “venda casada” (prática que seria passiva de punição segundo o código de defesa do consumidor); isso porque a função do filtro é justamente impedir que impurezas do óleo (velho) chegue ao motor. Logo, se trocar o óleo, mas não fizer a troca do filtro, o mesmo terá sua função prejudicada e o óleo não terá o desempenho esperado.

Andar com o óleo vencido pode causar um grande prejuízo. Trocar o óleo e não trocar o filtro, é vacilo e não vale o risco! A revisão destes itens básicos costumam ser rápidas e com custo baixo pois, de modo geral não é cobrado mão de obra.

Troca de óleo

Óleo Sintético & Óleo Mineral

Entre as muitas diferenças entre um e outro, as principais para o consumidor final são: preço, composição e quilometragem.

O óleo mineral mais comumente usado por ser mais barato tem o uso indicado para até 5 mil km. Já o sintético alcança uma performance que varia de 15 e 20 mil km, dependendo da marca e especificações. Certamente que o preço é mais alto, uma vez que pode durar até 4 vezes mais.

A substituição deles segue a mesma premissa do período, para além da quilometragem e não devem ser misturados. Usou um tipo e precisa completar? Use o mesmo tipo!

Como fazer o descarte após a troca de óleo automotivo

É importante lembrar que o óleo é um resíduo que contamina água e solo, consequentemente nossa saúde. Segundo a Resolução Nº 362/2005 do CONAMA em seu artigo 17, temos o papel, como revendedor, de dar a destinação correta dos óleos que trocamos em nossa oficina. Se você fizer a troca de óleo em casa, fique atento, Afinal, qualquer um está passivo às penalidades legais da destinação inadequada do óleo automotivo. 

Relacionados

Conheça nosso ecommerce

Acessar