Praticar direção defensiva é papel de todo cidadão. Veja essas dicas que além de contribuir para evitar acidentes, preserva a vida!

Os números relacionados aos acidentes de trânsito continuam sendo de assustar. Cada vez mais ter consciência sobre praticar direção defensiva se torna uma questão de saúde pública superando a analogia com a questão de segurança pública. Nos últimos seis anos o número de internações pelo SUS, em consequência de acidentes de trânsito aumentou, por ano, quase 16%.

Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, divulgados em maio deste ano apontam que 80% destas internações estão relacionadas a acidentes com moto.

Dito isso é preciso entender e praticar elementos de direção defensiva, que certamente todo motorista teve contato no curso para conseguir sua habilitação, independente da categoria do veículo que conduz!

Cinco aspectos fundamentais da Direção Defensiva

Atenção e Itens de Série

Sem atenção catástrofes acontecem. Isso vale para qualquer situação da vida. Por falta de atenção um bebê cai da cama, um feijão queima, uma criança é atropelada, uma moto atropela um animal e capota! Exagero? Será?

Antes de pegar a estrada ou seguir seu caminho, tome alguns cuidados

  • Regule os retrovisores
  • Confira a calibragem dos pneus
  • Verifique os equipamentos de segurança

Esses três são itens básicos que contribuem para a segurança do condutor e todos os outros usuários das vias; sejam eles pedestres, ciclistas, motociclistas, animais…

Usar os itens de série do carro também faz parte da pratica de direção defensiva. Retrovisor, seta, farol e buzina não são opcionais e estão aí para serem usados.

Estar atento aos retrovisores faz parte da vida de todo condutor. Inviável dirigir sem usar os espelhos retrovisores para ver o que acontece a sua volta.

Ligar a seta quando for fazer a curva e lembrar de desligar quando concluir a “manobra”, faz parte de uma boa comunicação no trânsito.

O farol é um item de uso permanente. Além de ser uma exigência legal, sua funcionalidade está diretamente ligada ao fator visual dos outros usuários das vias terem mais um elemento para enxergar você! Mas atenção, farol alto no olho dos outros é falta de educação e pode causar um acidente. Não faça isso!

A buzina também deve ser usada, quando necessária, e comedida. Não precisa “esquecer a mão” nela, mas as vezes é preciso um sinal sonoro para alertar o veículo da frente ou do lado; ou ainda um pedestre ou animal que esteja cruzando a via. Vale ressaltar que deve ser evitada próximo a hospitais e outras instituições de saúde.

Emoção não combina com direção

Estar emocionalmente equilibrado para dirigir é tão fundamental quanto estar fisicamente saudável. Conduzir qualquer veículo sob forte emoção certamente impacta a atenção de qualquer ser humano, logo aumenta a probabilidade de causar um acidente.

Se você está cansado, nervoso, com sono ou acabou de passar por alguma situação triste e precisa chorar… Entregue a chave e deixe que alguém dirija. É sério! Entre outros motivos, tomar qualquer decisão nessas condições pode influenciar negativamente e causar um acidente nitidamente evitável.

A direção defensiva passa também por fatores preventivos como ter um seguro. Afinal quando qualquer imprevisto acontece, manter a calma é bem mais fácil quando se sabe que é possível acioná-lo.

Ponto Cego e Manutenção

Pois é, fazer a manutenção é um ponto de direção defensiva. Em outras palavras, estar com a revisão da moto em dia representa menor chance de pane na rua. Então, menor risco de acidente e outras violências urbanas.

Um carro popular tem oito pontos cegos. Isso representa 8 chances de não enxergar a moto. Essa quantidade pode variar ainda de acordo com o modelo do carro e o biotipo do condutor. Enfim, evite os pontos cegos e use todos os meios para se fazer visível. Por essa e outras os itens sobre direção defensiva, já citados, são tão essenciais.

direção defensiva

Adversidades Previsíveis

Chuva, vento, sol, areia na pista, óleo na pista, congestionamento, neblina, incêndio nos canteiros ou nas laterais das estradas, entre outros. Todas essas podem ser consideradas adversidades previsíveis. Escolha horários que a luz do sol não ofusque a sua visão. No período noturno, reduza a velocidade. Consulte a rota para saber sobre todos esses pontos levantados e coloque em prática as ações que você espera dos outros condutores.

Mantenha a distância e evite corredores. É uma tarefa difícil, mas é fundamental e dispensa maiores explicações! Em caso de congestionamento, já que é inevitável (o uso dos corredores), vá bem devagar e use a buzina.

Ah! Sempre importante lembrar: use os equipamentos de segurança (capacete, jaqueta com sinalização refletora, óculos e luvas)!

Cuidado!

As áreas urbanas, estradas e rodovias NÃO são autódromos, logo, dirigir em alta velocidade NÃO faz de você um bom piloto; significa apenas que você está no lugar errado. Quer sentir a adrenalina das altas cilindradas, procure um autódromo 😎!

Dito isso, em especial nas estradas é preciso ter cuidado com as ultrapassagens. O vácuo de ar que se forma, principalmente em veículos de grande porte pode causar colisão ou até mesmo queda da motocicleta em virtude do deslocamento do ar em alta velocidade. Em uma via de mão dupla também pode acontecer, então o cuidado deve ser com a proximidade entre os veículos.

Outro ponto é quanto a indecisão ao “volante”. Um bom motorista, motociclista ou piloto certamente tem sempre as mãos firmes e as tomadas de decisão precisas.

Relacionados

Conheça nosso ecommerce

Acessar